Pequenas experiencias de vida compartilhadas por mim

 

Marco Civil da Internet e Neutralidade da rede

Tá rolando a discussão sobre as modificações no Projeto de Lei do Marco Civil da Internet. Uma que a gente precisa ficar atento é sobre o principio da NEUTRALIDADE, que está sendo ameaçado pelo texto atual.

Neutralidade significa que todos os pacotes de dados que circulam pela rede tem a mesma prioridade. Caso contrário uma companhia pode escolher tirar privilégios de alguns serviços, podendo até cobrar pelo seu acesso do usuário final. Fortes candidatos a isso seriam o YouTube, Netflix e Skype que são serviços que consomem muita banda.

O jornal O Globo fala “as operadoras são contrárias à norma, pois defendem o direito de cobrar mais por sites que demandam mais banda ou oferecer pacotes com preços diferenciados aos consumidores de acordo com o uso.” em http://oglobo.globo.com/tecnologia/brecha-no-marco-civil-poe-em-risco-neutralidade-da-rede-11833038

O projeto envolve outras questões importantes em relação a segurança e privacidade. Mas por enquanto o que é mais gritante é a neutralidade.

Está rolando um abaixo assinado, liderado pelo ex ministro Gilberto Gil contra as modificações no projeto: http://www.avaaz.org/po/o_fim_da_internet_livre_gg/

Sobre metas e o que eu tenho feito

Como em todo final de ano: eu faço uma lista de metas para o ano que vai iniciar. Gostaria aqui de fazer uma revisão de algumas das minhas metas após 2 meses do ano.

  • Ainda não tenho meu plano de volta para o Brasil, não sei o que eu vou fazer quando voltar. Mas estou cheio de ideias
  • Minhas metas de estudo estão um pouco atrasadas, preciso focar mais em iOS, Game Development e Computação Gráfica.
  • A lista de contos sobre DLM ainda não saiu, bem como o primeiro conto que ficou de ser escrito. Apesar disso DLM vem se consolidando dentro da minha cabeça como uma história mais densa
  • Meus jogos estão indo bem, acho que as metas referente a eles serão cumpridas
  • Ir para a academia ainda não, exercício só os que eu faço por conta própria. Não tenho previsão para me exercitar mais. Isso é ruim.
  • Não venho fazendo monitoramento dos lugares novos e das pessoas novas que conheci. Apesar disso acredito estar cumprindo minhas metas.
  • Sobre compartilhar momentos talvez eu esteja cumprindo, mas queria fazer isso com pessoas diferentes.
  • Não venho relendo a lista de metas semanalmente, bem como também não tenho mostrado essa lista para ninguém até agora

Não parece de todo ruim, mas preciso focar mais nos estudos

Concurso Faça Você Mesmo de Criação de Jogos! Secular Games

Então, a alguns dias eu ví esse concurso e tô vendo se participo, é meio que um desafio para mim mesmo, já que eu trabalho melhor com mecânicas do que com temáticas de jogo.

Para quem quiser conferir melhor: 

http://www.secular-games.com/2014/02/e-la-vamos-nos-para-o-concurso-faca-voce-mesmo-de-criacao-de-jogos-2014/

http://www.secular-games.com/2013/02/conheca-os-temas-do-concurso-faca-voce-mesmo-de-criacao-de-jogos-2014/

Eu terei por volta de 2 semanas para criar um jogo utilizando 3 dos temas sugeridos:

  • Romance
  • Doença
  • Edificações
  • Rede Social
  • Transgênero
  • Fronteira
  • Ruído
  • Horizontalidade (Esse eu ainda não entendi direito)

Com a possibilidade de explorar algumas metas alternativas:

  • Jogo com limitação de tempo de 60min
  • Jogo que utilize um dispositivo móvel de forma relevante
  • Jogo para 2 jogadores
  • Jogo onde a realidade se misture com o próprio jogo.
  • Jogo Inclusivo

Tô meio sem ideias ainda, como eu falei, temática não é meu forte. Gostaria de fazer um jogo que fosse mais contemporâneo para melhor identificação dos jogadores com a temática, até porque os temas sugeridos são bem atuais.

Pensei em explorar a trinca Romance, Redes Sociais e Transgênero, já que eu percebi menor interesse na comunidade. Sobre Transgênero eu tenho que tomar um pouco de cuidado porque não conheço o suficiente.

 

Esse foi um comentário feito por mim em um grupo da UEFS sobre o tema segurança pública. Como eu acho que ficou bom preferi trazer para cá para que não se perdesse.

Acho que o que eu posso contribuir com essa discussão é que existem diferentes ações para um mesmo problema e que todas elas são VÁLIDAS.

Ações de curto prazo como posicionamento correto da polícia pode ajudar a diminuir o medo que afasta o senso de comunidade.

A partir daí fazer um estudo mais profundo das causas do problema: quem está cometendo o crime, por que está comentendo, quais as mercadorias estão sendo roubadas, que tipo de armas estão sendo utilizadas, onde moram os suspeitos, onde as mercadorias estão sendo revendidas ou usadas… Esse levantamento dá inteligência ao poder público para trabalhar em soluções.

Aí nos podemos falar em educação, senso de comunidade, ações táticas, ações corretivas…

No final das contas o que queremos é a mesma coisa, então nos afastemos, nos unimos.

Sobre criação de Comunidades

Esse texto foi escrito em resposta a um post no grupo do AniHime no Facebook. Preferi postar aqui também para que esses pensamentos não se perdessem.


Cheguei a conclusão que comunidades com mais de 200 membros são difíceis de gerenciar. Geram muito ruído e pouco envolvimento. 


Primeira coisa então é adotar medidas para diminuir o ruído, ou seja tornar o conteúdo relevante mais acessível. Na outra ponta é preciso encontrar quem está realmente engajado no grupo e criar uma comunidade em torno dessas pessoas, criando atividades para essa comunidade. É uma coisa que a gente criou muito bem pelo Chat do MSN e que se manteve bem até pouco antes do segundo evento.

Essa comunidade engajada é a coisa mais divertida e que melhor ajuda na divulgação e criação da vibe dos eventos. Porque no final das contas o que realmente importa nisso tudo é se sentir parte de uma galera e fazer o que gosta junto.

Sobre me sentir um zombie.
Não como o da foto. Mas em minha mente. Apenas me arrastando para os lados em busca de alguma coisa para seguir.

Sobre me sentir um zombie.
Não como o da foto. Mas em minha mente. Apenas me arrastando para os lados em busca de alguma coisa para seguir.

Sobre um pensamento de vida

Ando pensando um pouco sobre como será minha vida quando eu voltar. O pensamento basicamente é que dá pra viver na minha cidade Natal e construir um legado lá. Isso é uma coisa distante do projeto EV que eu vinha construindo na minha cabeça, mas pode ser bom também, só que de uma forma diferente.

Nos últimos anos conheci pessoas incríveis, pessoas que eu não gostaria de me afastar apesar desse desapego que eu tenho. Ainda mando um abraço de longe para essas… E ainda tem as pessoas que eu nunca ví pessoalmente, mas que eu sei que preciso conhecer.

A vida que eu pensei é sobre viver com menos coisas e trabalhar em projetos que eu gosto, não um emprego fixo, mas uma série de atividades que juntas me dêem estabilidade. Sendo programando, sendo empreendedor ou sendo investidor.

Acho que quando eu voltar estarei mais preparado para mudar as coisas. Ainda é uma longa caminhada e o primeiro passo é arrumar a casa.

Sobre a necessidade de ter um iPhone, ou sobre não ter a necessecidade

Então… Eu estou vivendo outra fase da minha vida vivendo no exterior. Vendi meu computador antes da viagem e dele só restou um HD externo que só precisou ser usado uma vez. Trouxe comigo meu iPod touch de 4ª geração, que foi o maior quebra galho no primeiro mês, apesar de estar cheio de problemas: lento, bateria dura pouco, saída para fone de ouvido não funciona direito, botão Home que não funciona (ufa), trouxe também meu celular Sansung 5 (acho que é isso), que ficou sem uso por 2 meses até eu comprar um plano pre-pago de celular, roda Android 2.3, e funciona basicamente só para fazer ligações e mandar mensagens de texto, ele tá muito lento para fazer qualquer outra coisa (eu posso até resolver isso, mas tô com preguiça). A cerca de um mês eu comprei um iPad Mini, desde então não tenho usado o iPod tanto quanto eu usava, principalmente por não poder usar a função básica de tocador de música.

Qual é o problema: quando eu saio de casa eu costumo levar o iPod e o Celular comigo. O iPod é muito melhor para fazer anotações e tirar fotos, mas não faz ligações (fora skype). Nesse caso o mais lógico seria comprar um iPhone.

Mas hoje acho que ele seria subutilizado. Hoje eu consigo fazer a maioria das coisas usando o iPad.

Minha outra alternativa é um celular mais barato rodando um Android mais moderno. Hoje o Android roda os principais aplicativos que eu uso no dia a dia, em alguns aspectos acho que a experiência pode não ser tão boa quanto no iOS (apesar de achar que o iOS anda um pouco defasado em alguns recursos).

Não tenho conclusão, usei pouco as versões mais novas do Android, não sei dizer se atenderia melhor as minhas necessidades.

I’m developing the 3th beta version of my chaotic card game. I hope that in some months I will have a good product!

I’m developing the 3th beta version of my chaotic card game. I hope that in some months I will have a good product!

Sobre Papai Noel

O meu primeiro texto publicado comentava sobre a não existência do Papai Noel, foi escrito quando eu fazia alfabetização e foi publicado no jornal Foquinha (nem sei se existe mais).

Hoje gostaria de revisitar esse texto, mesmo sem ter acesso ao seu conteúdo completo. Gostaria de dizer que eu acredito em Papai Noel, o bom velhinho, que não é responsável por distribuir presentes, é o responsável por guardar o espirito de Natal.

É um simbolo que nos ajuda a lembrar do menino e dos seus feitos. Nos ajuda a lembrar do espirito de paz. Essa é a história que eu vou contar para os meus filhos, para que eles possam acreditar.

Sobre estar fora do corpo

sem drogas, sem meditação, sem tentar estar do lado de fora. Apenas estando do lado de fora do corpo. Aquele momento que deixa de ser a pessoa e passa a ser simplesmente o corpo operando, operado pelo instinto e a repetição. Quando eu voltar eu digo se foi bom.

Sobre as Armas

Acho que com essa postagem concluo essa série sobre Dê Lá Mazon, possivelmente escreverei mais no futuro. A primeira postagem foi sobre as Armaduras, a segunda sobre os Poderes e para terminar a trilogia irei tratar sobre as armas.

Até o momento não foi criada uma formalização adequada para a classificação das Armas. Elas são muito diversas. A primeira coisa a ser considerada é o termo Arma, que aqui só será utilizada para categorizar armas de combate corpo a corpo com função básica de corte.

A primeira divisão são das Armas com lamina sólida e as com lamina vaporizada. As armas com lamina vaporizadas são classificadas como ElPoter. Estas possuem cargas de particulas finas e cortantes que são colocadas em movimento rápido dentro de um campo finito, geralmente também é utilizada uma luz que acompanha o feixe de particulas e dá vizibilidade a lamina. Uma arma bem parecida da ficção é o sabre de luz.

As armas com lamina sólida são nomeada pelo material que compõe a liga de Nério: Arma de aço, Arma de Ouro, Arma de Cobre…

A Arma de Aço foi utilizada junto a Armadura Ressonante, possui o segundo nome de Florete de Aço, possui a habilidade extra de concentrar vibrações ressonantes e lançar essa vibração como uma antena.

A Arma de Ouro possui o segundo nome de Goldkiná e possui duas versões, a primeira de lamina fixa lembra uma faca, só que do tamanho de uma espada. A segunda com lamina móvel possui um mecanismo que movimenta as laminas como uma serra elétrica, o formato de faca é mantido.

A arma de cobre é mais difícil de descrever, são dois bastões com 20cm com laminas avermelhadas fixadas nas pontas, o formato da lamina lembra um abridor de latas. Na outra ponta dos bastões está uma corrente que liga os dois bastões. A corrente pode ser acomodada dentro dos bastões unindo estes em uma peça só. A arma possui a característica de flutuação de um dos bastões quando o outro está sendo segurado.

Fora da classificação de material está a Excalibur, a primeira arma catalogada. É simplesmente uma espada de liga de Nério especial. Sem mais registros.

As armas anda são um capitulo mal escrito dessa história. Muito há de ser estudado.

Sobre os poderes

em uma postagem anterior eu tratei sobre as armaduras, essa parte importante na história da Dê Lá Mazon que me acompanha todos os dias. Antes de falar das armas, como foi prometido na postagem anterior, ire tratar sobre os poderes.

Os poderes são divididos em dois tipos, os poderes de Elemental e os poderes de Explozon, cada um dos dois com suas próprias caracteristicas.

A primeira classe de poderes é chamada de Elemental, mas por questão de ordem é necessário citar Climátiuns que é a primeira manifestação de Elemental, antes mesmo da classe ser definida, Climátiuns define o processamento para ações climáticas.

A classe Elemental define todos os poderes que são resultados de um grande esforço de processamento e um pequeno esforço de realização, geralmente atuam em escalas muito maiores como a do pensamento coletivo, o clima entre outros.

Os poderes de Elemental necessitam de maior observação para seu domínio e mais tempo para a visualização dos seus efeitos, em compensação exigem muito menos energia para a sua realização.

A segunda classe de poderes é chamada de Explozon, a grande diferença para Elemental é que os poderes de Explozon necessitam de muito mais energia em um tempo muito mais curto para a realização de um efeito visível em pouco tempo.

São poderes que necessitam além do estudo, um treinamento muito mais forte. Eles dependem muito da força de vontade do usuário. São comparáveis a milagres.

Os grandes exemplos de Explozon são as armaduras ressonantes, o poder dos Reveras e o poder do TX.

No geral poucas pessoas conseguem executar os poderes de Explozon, enquanto os poderes de Elemental podem ser realizados até sem o usuário perceber. O que faz com que muitas pessoas não acreditem nos poderes de Elemental

Sobre essa busca

Estou em estado de busca. Esse estado me deixa alerta e ansioso. Me deixa também cansado e um pouco paralisado. O meu estado é de busca, mas minha mente não deixa seguir com a busca. Idéias me prendem, me guardam nessa zona.

Sobre minhas armaduras

As armaduras fazem parte da minha vida, assim como as armas, mas deixo as armas para outra publicação. Hoje trataremos sobre as armaduras.

Existe um mundo meu, esse mundo se chama Dê Lá Mazon, nesse mundo várias aventuras aconteceram e acontecem todos os dias. E todos os dias eu sinto um pouco desse mundo, e parte importante desse mundo são as armaduras.

As armadura foram produzidas em diversos tempos de Dê Lá Mazon, para uma série de propósitos, creio que ainda não conheço todas, já que todo dia acabo descobrindo alguma coisa nova. Vou tratar apenas da classificação de armaduras e dar alguns exemplos:

Armaduras de Treinamento: foram criadas para favorecer algum aspecto forçando o treinamento deste. O primeiro exemplo é a armadura de ferro BlackWave, é uma armadura extremamente pesada criada para favorecer o treinamento físico, em combate garante uma boa defesa. A Agiliti é uma armadura de controle do movimento, foi criada para restringir movimentos que podem acarretar em danos. A Orar Materialista é uma armadura de controle do poder, foi criada para concentrar uma grande quantidade de poder treinando o seu uso, uma variação desta armadura é a Black di Orari.

Armaduras de Poder: São armaduras desenvolvidas  para a liberação de uma grande quantidade de energia em um intervalo de tempo curto. O grande exemplo, e o unico que eu consigo dar no momento, é a Croicaneras, uma armadura de pulso TX, a união desta armadura com a Orar Materialista resultou na liberação do grande poder do TX na forma de Imegnus.

Armaduras ressonantes: são armaduras que se utilizam da formação de sons como forma de defesa e ataque. A primeira armadura com essa característica foi a armadura de Aço, Alma de Aço, apenas o criador da armadura conseguiu utiliza-la devido a sua complexidade. Aproveitando a tecnologia da Alma de Aço foi desenvolvido a armadura AlmaWor, essa armadura utilizava o poder da bola Wor para simplificar a operação da armadura permitindo que qualquer pessoa minimamente treinada pudesse utilizar. Seguindo os esquemas da AlmaWor, mas sem poder contar com o poder da bola Wor, foi desenvolvido o projeto SunSerts de criação de um exercito com armaduras ressonantes, as armaduras SunSerts possuíam uma central de processamento que geriam o funcionamento da armadura, assim soldados treinados poderiam operar sem grandes dificuldades. As armaduras ressonantes se mostram um desafio, já que é necessário um grande número de cálculos para a sua correta aplicação.